Wake up and smell the coffee

July 19, 2018

Uma das recordações que tenho de criança é acordar em casa com o cheiro de café acabado de fazer na cafeteira. Alguém mais se lembra?

 

É uma tradição familiar, herdada pela Mãe e Avó, em começar o dia com um bom pequeno-almoço e este só é perfeito quando se junta uma chávena de café bem cheia. Eu cresci com este costume e com este hábito de saborear sem pressa (Slow Coffee).

 

 

Nos dias agitados em que vivemos, as marcas inventam e inovam através de produtos, os quais são justificados como uma necessidade do consumidor, e todos os dias surgem novos e por vezes bem inúteis produtos.

 

As cápsulas de café apareceram disso mesmo, da expressão stress matinal e da vontade de ajudar os consumidores a poupar tempo e simplificar as rotinas matinais. Com estes surgiram muitos outros produtos e cabe-nos a nós aceitar ou não aquilo que nos é apresentado como a solução ideal. Tenho máquina de café em casa e já tive várias é um facto. Não sou cínica a dizer que nunca usei. Mas é como tudo, primeiro experimentamos por curiosidade, por moda e por tendência e esse hábito fica. Porque efectivamente simplifica-nos a vida. Mas ajuda somente no momento e no desfrutar desse prazer instantâneo. E depois? 

 

Alguma vez pensaram para onde vão as cápsulas de café utilizadas? Sabem de que materiais são feitas as cápsulas de café? Para onde vão as máquinas de café que se estragam ou que deixam de ter um design interessante? Surgem inúmeras perguntas e que muitas delas não sabemos as respostas.

 

Só em 2011, o número de cápsulas produzidas daria para dar a volta ao mundo 6 vezes, tal como afirma Murray Carpenter no seu livro "Caffeineted". A maioria das cápsulas não é reciclável, pois têm uma junção de alumínio e plástico. Algumas são produzidas a altas temperaturas o que as torna nocivas.

 

É também verdade que as marcas de café têm em conta alguns destes problemas e apresentam perante o público respostas e incentivam ao comportamento sustentado por parte do Cliente. A entrega de cápsulas usadas, a troca de máquinas de café, entre outras medidas. Mas qual o resultado destas iniciativas? 

 

Em Julho celebra-se o #plasticfreejuly e a Maria Granel relança uma campanha nas redes sociais de sensibilização ao tema. Já em 2017 aderi e aprendi imenso, aliás como sempre, com esta marca pioneira em Portugal de venda a granel.

 

Se ainda não seguem a Maria Granel no instagram ou facebook, convido-vos neste momento a aderir e mais importante é ir às suas lojas e conhecer pessoalmente este projeto. Para ajudar na transformação de comportamentes, a Maria Granel, criou uma imagem resumo da campanha intitulada de: "10 passos para desplastificar" e resumidamente apresentam as 10 alterações de comportamento que devemos abraçar com toda a garra e convicção daqui para a frente.

 

Cada um tem o seu tempo e o ser humano é na sua maioria das vezes adverso à mudança. A saída da zona de conforto não é para todos e na sua maioria resulta durante pouco tempo.

 

O primeiro passo é: Tomar Consciência. Perceber o impacto nefasto do plástico no nosso ecossistema é o primeiro passo para o eliminar.

 

O movimento Plastic Free July é muito simples (desde que haja vontade) e podem saber mais e como substituir o plástico (um a das pragas ambientais") no site   www.plasticfreejuly.org  e em  inúmeros grupos nas redes sociais.

 

Em Portugal, convido-vos a aderir ao Grupo Zero Waste Portugal, liderado pela querida Ana “Go Slowly”. Juntem-se a esta causa e vejam como podem deixar o Mundo melhor que o encontraram. E não é necessário fazer esta mudança de forma radical, passo a passo podemos melhorar as nossas atitudes e assim que incutidas algumas rotinas as seguintes tornam-se mais fáceis.

 

Por exemplo, ir às compras. Tenho sempre no carro sacos de pano para quando tenho de ir comprar algo invés de aceitar um saco, já tenho os meus, desta forma digo não ao trazer algo para casa que não necessito. Os sacos de pano são muito mais giros, amigos do ambiente e são laváveis. 

 

Por isto e por muito mais, a minha sugestão passa por:

» Desfrutem do vosso pequeno-almoço com tempo.  

» Respeitem o vosso corpo e alimentem-se sem pressas, sem stress!

» Abram a janela digam bom-dia enquanto na cafeteira ao lume a água ferve... e bebam o vosso café em casa e em paz. 

 

 

O rejeitar ao plástico é uma atitude, um comportamento e este gera comportamento.

É um "statement" vosso em abdicar do descartável, do mais fácil, do plástico e do artificial. 

 

"Wake up and smell the coffee" é uma expressão inglesa que não podia ter escolhido melhor para ilustrar este sentimento.

 

Respeitem o planeta, ele agradece, e os vossos filhos, netos, bisnetos também!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

August 24, 2018

Please reload

Instagram @ines_3d

  • https://www.facebook.com/Ines3D/
  • https://www.instagram.com/ines_3d/

© 2018 by Inês Cancela. Proudly created by JLDesign